É o amor que ninguém mais vê...

Sei lá, as vezes acho mesmo que meus dias azuis nunca vão se acabar. Tudo de bom, de feliz, de pleno que já vivi parece tão longe, passageiro em contraste com o agora. Não sei mais o que quero, muito menos o que vai ser do amanhã… só quero que passe, que pra mim chega. To bem cansada de sentar sozinha nesse quarto tão cheio só de mim e me enlouquecer com o que dizem aqueles que, independente do que possam falar, só me mostram não se importar com o quanto me fazem mal, e amá-los só faz doer mais. Não quero mais afastar as pessoas, mas elas também nunca ajudam. Todo mundo com quem me afeiçoo, que eu aprendo a confiar, dá um jeitinho de me decepcionar, de me fazer colocar o pé atrás de volta, bem quando eu acho que não preciso mais. Depois eu é que sou errada de erguer o escudo e me esconder por trás dele, mas na hora de me espetar, todo mundo ta certo. É tudo, é colocar os outros como prioridade e esquecer que existo, totalmente ignorar minha opinião, não me ter um pingo de respeito. Poxa, eu sou tão descartável assim? Ou talvez me deem tão por garantida que não importa o que se faça, o que se fale, pois presume-se que estarei sempre por perto. Que um “desculpa” da boca pra fora, só pra não me contrariar, vai fazer a merda parar de feder e quando enfiar o pé na jaca de novo é só repetir. Respeito, atenção, carinho não é pedir demais, não é esperar muito de ninguém. É o mínimo, a base da família, do amor, da amizade, de tudo. É o que separa quem importa de quem a memória vai esquecer e o tempo vai afastar. É o que mostra quem ama mesmo e quem veio mostrar o que isso não é, separa parente de família. Se quer saber, não vou mais chorar nem me preocupar com quem só quer uma chance pra me deixar de lado. E se for pra levar na cara, eu vou retribuir o favor. Não sou Madre Teresa pra dar a outra face. { itsanarocha }

Esse amor zumbir tem devorado cada pedaço que resta do meu coração. Dói tanto que eu nem consigo chorar. A dor me petrifica e anestesia. A dor não acaba com esse amor, mas acaba comigo
Tua Capitu (via tuacapitu)
tastefullyoffensive:

Watching a movie adaptation. [via]

tastefullyoffensive:

Watching a movie adaptation. [via]

E aí você assiste aquela comédia romântica mais água com açúcar possível, sobre a garota atrapalhada que conhece um cara bonito, acha um jeito de meter os pés pelas mãos, mas no final dá sempre tudo certo, terminando de praxe num gesto de extremo romantismo do rapaz, daqueles que a gente só vê em filme mesmo. Então acaba, e você percebe toda alegria que sentiu pelo casalzinho se esvair diante dos olhos quando os créditos começam a subir. Garanto que até a mulher mais independente e confiante já se viu com inveja da protagonista de cinema cuja história se define em utopia. Injustiça nem começa a descrever o que toma a gente ao ver que de parecida com a da mocinha a nossa vida tem só a confusão e a montanha de problemas. Ta bom, não é lá muito justo pros homens também terem que se igualar com o galã de hollywood e serem obrigados a buscar sempre uma maneira nova de demonstrar seu amor, mas não se compara ao desanimo que dá numa mulher de ter que viver a altura de tais expectativas: primeiramente buscar ser como a personagem principal, que por mais que às vezes comece meio patinho feio, logo se torna linda, sexy, inteligente e interessante, e depois vem a saga de encontrar o príncipe encantado que demonstre o quanto te merece, além de ter que alcançar a plena realização pessoal, como se precisasse tornar o impossível um pouco mais difícil. Mesmo sendo bem pé no chão, não exigir tanto, nem ao menos gostar de ganhar flores ou muitas vezes julgar certas coisas exagero alheio, no fundo toda mulher de vezenquando quer a certeza de que é amada, alguém que não tenha medo de gritar seu nome pros sete mares, ou mesmo uma declaração espontânea. Sabe? Sentir pelo menos no momento que não há ninguém mais importante, que é valorizada. E nesse mundo onde o romantismo vem morrendo e cada vez mais os relacionamentos se tornam descartáveis, isso tudo acaba ficando mais distante, até parecendo bobo e infantil, mesmo pra quem tem essa vontade no íntimo. As pessoas esperam que seus parceiros adivinhem o que elas sentem e se surpreendem quando trocadas por outras que não as deixam esquecer, descobrem onde erraram tarde demais. Não dão o mesmo esforço pra manter quanto deram pra conquistar, acham que por ter sido amor, não pode deixar de ser. Hoje acreditar que há amor tão pleno é quase como pensar existirem fadas e dragões. Escondemos esse lado sentimental e buscamos aplicar a razão sempre que possível. E até tento negar, mas confesso ser no fundo ainda a típica romântica incurável. Sonho em ser uma profissional admirável, independente financeramente e toda aquela história de gente grande, mas também com as cenas de filmes, um pedido de casamento inesperado, entrar na igreja de véu e o vestido perfeito, sentir as mesmas borboletas no estômago do primeiro encontro depois de anos e com amor eterno. Depositar tantas expectativas no que não dá pra controlar pode até ser prejudicial, mas será que é tão ruim assim sonhar? { itsanarocha }